quarta-feira, 8 de julho de 2009

Quase dia,quase noite


Quero me perder em teus braços numa noite outrora,quase dia, quase noite.
Doce mel beijo singelo, corpos unidos, corações compassados.
Tao suave toque deslizar em meu peito,leito que embala suaves sussuros.
Não imaginei ,nem acreditei em tua voz rouca carrega de desejo.
Talvez assim torne mais real , essa escuridão de quase dia ou quase noite.
Deslizo em teu corpo,não me chame,não quero me achar.
Deixe apenas que te cubro.
Me tens, ate quase dia ,quase noite.
Me perdera quando chegar o dia ou a noite, não importa, também vou perde-te.
Ache-nos, se assim for o que se segue pelo destino.
Perca-nos se assim segue pela vida.
Quase dia ,quase noite, ainda nos temos um ao outro.
Compartilhamos,se assim for feito.
Embalados,é tudo que temos,quando dia ou a noite chegar,não importa,
Se ainda teremos.
Imagino pretenso,que quase dia ,quase noite, ainda viveremos.
Quase dia, quase noite e assim nossos corpos nos levam,pra longe
Dentro do teu abraço, suave beijo de descaso.
Circulando o sangue que nos aquece ou nos gela.
Passamos horas em quase dia ,quase noite.